As mudanças e oportunidades do setor de produção

Durante muitos anos a geografia mundial do setor de produção permaneceu centrada em locais de baixo custo. No entanto, nos últimas décadas, mudanças e oportunidades do setor estão surgindo. Há uma gama de grandes oportunidades para as indústrias que souberem iniciar narrativas de renovação de suas estruturas.

Flavio da Silveira Bruno, explica em seu Estudo “A Quarta Revolução Industrial do Setor Têxtil e de Confecção: a Visão de Futuro para 2030” que de 1994 a 2004 as cotas que protegiam as indústrias localizadas em mercados ricos contra a entrada de produtos fabricados em países de menor complexidade econômica foram gradativamente eliminadas, após a ascensão da China e outros países asiáticos na competição por preços baixos. No entanto, para o setor têxtil, a economia abriu novos cominhos que desde então, não estavam previstos.

Com a ascensão da tecnologia e da internet, a informação passou a ser disseminada em tempo real para qualquer parte do planeta. Isso trouxe uma estratégia nova de aproximação entre a produção e do consumidor final.

Nos países asiáticos, vários produtores de vestuário aperfeiçoaram suas capacidades e têm assumido novas funções. Com o surgimento e exploração das tecnologias da informação iniciou então uma interconexão entre diversos estágios das cadeias, reduzindo custos e riscos associados a estoques obsoletos, perdas de vendas e etc. Fornecedores passaram a integrar suas operações, deixando o antigo perfil de simples “parte” do processo de montagem de pacotes completos para fornecedores de serviços e produtos mais completos que suprem as necessidades do cliente, esse processo é conhecido como full-package.

Essas mudanças trouxe uma proximidade de mercados-chave na localização das unidades fabris, reorganizando a geografia mundial do setor de produção, como mencionamos no início do artigo. Diversos produtores asiáticos, antes coordenados por empresas líderes ocidentais, estão assumindo, gradativamente, funções de coordenação, ou seja, estão, cada vez mais estendendo suas atividades em direção ao consumidor final.

A experiência de consumo tem se tornado, gradativamente, uma orientação de valor que está alterando a maneira de como o consumidor final pensa, adquire informação e toma decisões sobre as atividades de consumo.

O uso intensivo de tecnologias da informação para o desenvolvimento de níveis elevados de capacidades organizacionais, como eficiência operacional, serviço ao cliente e desenvolvimento de produtos. No entanto, a difusão das experiências com as tecnologias e a comunicação com consumidores amplia ainda mais esta importância, ressaltando as vantagens econômicas na gestão do negócio e comparando com as gigantescas economias externas.

Para alguns autores, já pode ser identificado um novo modo de manufatura no setor de produção têxtil, denominado social manufacturing, ou manufatura social. Esse modelo permite que qualquer pessoa possa participar de todo o processo de manufatura e visa introduzir a indústria de confecção do vestuário na customização de massa, baseada nas redes digitais, e em outras tecnologias emergentes, como o espelho 3D de virtualização da prova de roupas, que será mais bem detalhado neste trabalho.

Concluindo então, com o advento crescente das tecnologias em países de mãos de obra barata houve mudanças na geografia mundial do setor de produção. Novas propostas de agregar valor ao serviço ou produto para o consumidor final estão sendo inseridas ao consumo e cada vez mais exigidas pelos clientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *