ATÉ QUANDO ABUSARÃO DA NOSSA PACIÊNCIA?

Adellunar Marge

Cícero, o grande advogado e orador romano, por volta do ano 50 a.C., criticando o Senador romano Catilina, escreveu em sua “Catilinárias”: “Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência?”. “Quousque tanden, Catilina, abutere patientia nostra…”.

Em nosso país, quase dois mil e cem anos depois o povo faz a mesma pergunta de Cícero: até quando os políticos corruptos abusarão da nossa paciência?

Os crimes praticados pelos detentores do poder nos últimos 15 anos vão se avolumando e ainda que desvendados um a um pela justiça, os participantes da gigantesca trama criminosa insistem em continuar negando e negando a corrupção óbvia que praticaram. Excesso de cinismo ou insistência em acreditar que o povo brasileiro é desprovido de um mínimo de inteligência?

No último dia 23, sexta feira, segundo matéria publicada na Folha de São Paulo, o Juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, em Brasília, aceitou a denúncia do então Procurador Geral da República, Rodrigo Janot , contra os ex-Presidentes Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef,  além dos ex-Ministros Palocci, Mantega e o tesoureiro do PT, Vaccari. Todos eles acusados de participação no chamado “Quadrilhão”, um esquema montado para coletar propinas de cerca de 1,48 bilhão de reais. Esse esquema, segundo a Polícia Federal envolvia a Petrobrás, o BNDES e o Ministério do Planejamento à época dos ex-Presidentes citados que, agora, passam à condição de réus.

A citada denúncia do Juiz Federal inclui também a ainda Senadora Gleisi Hoffman, Presidente do PT, eleita Deputada Federal pelo Paraná para a próxima Legislatura e o Prefeito de Araraquara, Edinho Silva que, por motivo de foro privilegiado, vão ter os seus processos tramitando de forma diferente.

O foro privilegiado e certos benefícios criados em favor dos “Criminosos de Colarinho Branco” (um nome mais sofisticado para ladrões com destaque na sociedade), são recursos que já deveriam ter sido banidos da justiça há muito tempo.

A partir de janeiro parece que vai se abrir uma nova página na história do nosso país. Não diria que essa esperança vá se basear apenas em uma pessoa, como o novo Presidente da República que assumirá o governo do país. O importante é que existe um clamor geral da população brasileira pela moralização das nossas instituições. A entrada de Sérgio Moro na pasta da Justiça, com poderes sobre a Polícia Federal e sobre o órgão fiscalizador de crimes na área econômica, cria a esperança de caminharmos para o fim das impunidades que assistimos há tantos anos em nosso país. Uma impunidade que estimulou a corrupção e subtraiu volumosos recursos públicos que poderiam solucionar os crônicos problemas da saúde, da educação e da segurança, principalmente.

O prof. Ricardo Velez Rodrigues é outro indicado tem tudo para fazer um bom trabalho à frente do Ministério da Educação. Conheço-o de longa data. Foi meu professor no Curso de Mestrado e tive a oportunidade de trazê-lo diversas vezes a Muriaé para fazer palestras em nossa Faculdade Santa Marcelina, palestras que sempre fez gratuitamente por amor à cultura e ao seu trabalho como educador.

Os opositores de plantão e defensores da máquina corrupta que espoliou o Brasil durante tantos anos, afirmam que o governo que entrará em janeiro é conservador. Ora, como afirmou o próprio futuro Ministro da Educação, a sociedade brasileira é conservadora, defende a permanência dos valores da família e rejeitou nas urnas os projetos ideológicos que desassossegam as famílias como ideologia de gêneros nas escolas, defesa do aborto, uma visão distorcida da arte como expressão da cultura humana e etc.. Afinal, quem são meia dúzia de pseudos intelectuais para contrariarem o desejo de uma população inteira. Se ser conservador é ser favorável à moralidade pública e ao respeito às tradições da família, seremos com prazer conservadores sim. A propósito, a juíza Hardt parece que será muito mais severa em suas sentenças do que o bondoso juiz Sergio Moro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *