Sociarte 15/02/2019

Parabéns, Renato!

Quem comemora idade nova nesta sexta-feira (15) é o nosso amigo Renato Zibordi, ex-cinegrafista da TV Atividade e atualmente trabalhando como motorista socorrista do SAMU em Patrocínio do Muriaé. Morador do bairro São Francisco, ele comemora com a namorada Marina, amigos e familiares. Parabéns!

 

Teodorico Torres comemora idade nova

Um dos grandes nomes do jornalismo esportivo de Muriaé e região, Teodorico Torres Neto festeja seu aniversário neste domingo (17). Responsável pelo blog “Bola na Rede” e morador do bairro Safira, o jornalista segue escrevendo belos capítulos na história do esporte da nossa cidade. Parabéns, Teodorico!

 

 

 

 

 

 

Parabéns , Crisostinho

O nosso querido amigo Crisóstomo Garcia (Crisostinho), comemorou idade nova na quarta-feira (13). Ele, que é proprietário do Rei das Chaves, é casado com Maria Imaculada e pai de Sérgio, Simone e Simaire. A ele enviamos votos de muitos e muitos anos de vida e que Nossa Senhora Aparecida possa continuar te abençoando abundantemente!

 

Niver de Indara

A bonita Indara Íris Pereira de Souza, completou idade nova nesta segunda-feira (11) recebendo o carinho de todos os seus amigos e familiares. A ela, que é filha de Adriana de Souza e Antônio Edvaldo, enviamos votos de muitas felicidades, paz e muitas realizações.

 

Parabéns, Norim

Da redação os parabéns para o nosso amigo Honório Amaro, carinhosamente conhecido como Norim, que completou idade nova nessa quarta-feira (13). Ele que é um competente médico veterinário e muito querido em Muriaé e em toda região, é casado com a bonita Walquíria (Wal) Guedes e pai do fofo Wander Henrique Guedes Amaro. Parabéns, Norim! Muitos anos de vida e paz pra você!

 

Parabéns, Rita

A segunda-feira (4) foi de muita festa para a nossa querida amiga Rita Catarina de Souza. Nessa data ela completou idade nova e recebeu o carinho de seus familiares e amigos. Rita, que é mãe de Renata, Rodolfo e Bruno, é casada com Arthur José e avó do fofo Guilherme. Parabéns, Rita! Que essa data se repita muitos e muitos anos!

O velho problema das estradas de Minas

Após o desgoverno do Pimentel (que agora, sem o manto protetor do foro privilegiado, deve enfrentar os Tribunais para prestar contas das acusações contra ele), o Governador Zema  vai ter muito trabalho para colocar o Estado de Minas Gerais nos trilhos.

Colocar as contas em dia, moralizar o pagamento do funcionalismo e transformar o nosso Estado em uma unidade da federação respeitada, não vai ser tarefa fácil.

As rodovias são um exemplo. A maior parte das estradas de Minas são estreitas, sem acostamento, sem a terceira via auxiliar para veículos pesados nas subidas e com depressões e irregularidades nas pistas que potencializam os riscos para os motoristas e passageiros que transitam por elas. Minas possui a maior malha rodoviária do país mas, com certeza, a mais mal conservada. Se comparadas com as rodovias de São Paulo, as nossas estradas parecem trilhas, e olhem que pagamos um dos mais elevados IPVAs do país.

O pior é que (e isso ocorre no Brasil inteiro), enfrentamos um elevado número de caminhões e carretas que tornam o trânsito insuportável. No início eram as carretas comuns, compostas pelo cavalo, onde se encontra a cabine do motorista e a carreta propriamente dita que lhe era atrelada. Agora, a despeito de nossas péssimas e estreitas estradas, criaram as “Carretas articuladas, compostas pelo Cavalo e mais dois imensos reboques, com um aviso de alerta escrito atrás: “Veículo longo, 30 metros”. Uma verdadeira linguiça mecânica que, quando transita à nossa frente na rodovia, demoramos quilômetros para ultrapassá-la.  No trecho entre Leopoldina e Juiz de Fora, por exemplo, é comum uma fila de 10 ou quinze veículos leves morcegando durante vários quilômetros a 40/h atrás de uma geringonça dessas. Muitos motoristas imprudentes tentam ultrapassá-las em locais impróprios e arriscam a sua vida e a dos passageiros, quando não se metem em acidentes graves. O citado trecho é um dos exemplos clássicos de estradas sem nenhum acostamento e sem “Terceira Via” nos trechos de subida.

O Governo Jânio Quadros proibiu, na época, os chamados “caminhões trucados” (aqueles que possuíam um terceiro eixo com mais duas rodas. Alegavam que tais caminhões, por concentrarem muito peso em uma menor quantidade de metro quadrado da estrada, danificavam a rodovia, produzindo afundamentos. Assim, foram entronizadas as carretas, com o objetivo de distribuírem o peso da carga em um espaço maior por metro quadrado da pista.

O raciocínio, é claro, não foi errado mas o problema era que as estradas cediam ao peso por sua má qualidade e pelas mutretas de empreiteiras que, cobrando milhões pela obra, não compactavam adequadamente a base da pista e colocavam uma “camadazinha  furreca”  de asfalto.

Se as estradas fossem amplas e bem construídas não teríamos problema com o trânsito das imensas e lentas geringonças que tanto risco oferecem aos que trafegam por nossas estradas. Mas é claro que a solução melhor seria incrementar a malha ferroviária para longos percursos e deixar as estradas para os caminhões menores e de percursos menores.

A cada campanha eleitoral assistimos desfilarem nos palanques propostas de incremento da malha ferroviária e fluvial, uma solução que não foi inventada por nós, mas que já existe nos países desenvolvidos que usam vagões ferroviários para longas distâncias e implantam em países como o nosso as suas fábricas de caminhões imensos que oneram o nosso transporte e se refletem nos preços das mercadorias que transportam.

Mas é claro que a substituição do transporte rodoviário pelo ferroviário deveria ser lenta e gradual pois a diminuição drástica dos caminhões pesados geraria graves problemas de desemprego e crise social no país.

Editorial 15/02/2019

A discussão sobre a redução da maioridade penal que se encontra há tempos no Congresso Nacional para votação, ganha também as ruas. A matéria está longe de ser uma questão pacífica, e mesmo que seja aprovada nos termos discutidos hoje novos parlamentares, a polêmica continuará por anos a fio, devido ao seu alto grau de complexidade.

Se de um lado, a sociedade pede socorro em função das barbáries cometidas por criminosos de alta periculosidade, que se encontram na faixa etária entre 16 e 18 anos, por outro lado, existe uma parcela, embora bem menor, que resiste a qualquer tipo de alteração neste sentido, por causa da precariedade do sistema carcerário brasileiro.

Existem hoje duas situações distintas. A primeira é a constatação de que há de se tomar medidas inadiáveis para conter a criminalidade juvenil, uma vez que a impunidade gerada por uma legislação paternalista, como é o caso do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), estimula de forma determinante a participação de jovens em crimes que vão desde os pequenos delitos às barbáries classificadas como crimes hediondos. A segunda é o pensamento de uma menor parcela da sociedade, que entende que a precariedade do sistema carcerário do país torna-se um impeditivo para uma tomada de posição do Congresso a favor da redução da maioridade penal.

Como se diz popularmente, uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa. A incompetência dos governos, que por anos e mais anos, deixaram de lado a importante política de Estado na reestruturação de presídios e de todo o sistema carcerário, não pode servir, neste momento de flagrante desespero da sociedade, como desculpa para impedir uma tomada de posição do Congresso Nacional quanto a esse problema crucial.  As medidas socioeducativas que hoje são aplicadas se tornam inócuas. Assegurar a redução do limite de inimputabilidade é um imperativo para a mitigação da criminalidade juvenil.

É certo que o Brasil não pode ser somente o país do castigo, como estão dizendo por aí. Mas, a sociedade também não pode pagar mais esta conta que por anos foi proporcionada por governos lenientes ou corruptos, que roubaram ou desviaram verbas que poderiam ser destinadas para melhorar a estrutura de uma demanda praticamente infinita, como é o caso do precário sistema carcerário brasileiro.

Sem tempo para escolher, é melhor ver um criminoso irrecuperável preso, mesmo que seja numa dessas atuais pocilgas chamadas de cadeias, do que ver famílias inteiras desesperadas, clamando por justiça.

O flagelo das drogas

Temos visto notícias, as mais diversas, demonstrando que as drogas têm se tornado um flagelo para o país.

Volto sempre a esse assunto por causa da preocupação que tenho como participante ativo da  sociedade, e como tal, considerando este instrumento de comunicação que tenho nas mãos como uma ferramenta importante para chegar ao leitor e à sua família, coloco-me na obrigação de informar e principalmente, de denunciar todas as mazelas que ao longo do tempo vem acontecendo, seja na política do país ou nas questões das necessidades básicas do povo, procurando sempre exigir dos poderes constituídos, através do espaço que este semanário me concede, as alternativas viáveis que possam de alguma forma melhorar a qualidade de vida de todos os cidadãos.

Alguém já asseverou, com muita propriedade, que a família é a célula mater da sociedade, cuja preservação deve ser exercida por cada um dos seus integrantes.

Todos os estudos feitos até aqui apontam para a certeza de que o narcotráfico e o consumo de drogas constituem um dos maiores geradores de toda essa violência que anda reinando em nosso meio, promovendo uma degradação ascendente em grande parte das famílias brasileiras.

Trata-se de um problema de alta complexidade e que exige uma junção de esforços entre as autoridades competentes da União, dos estados, dos municípios e também da própria sociedade.

Em 2011, portanto há mais de oito anos foi lançado pelo Governo Federal o “Programa de Estratégia de Segurança Pública nas Fronteiras” com o objetivo de inibir, além do contrabando, a entrada de drogas e armas no país. Pelo visto, foi apenas mais uma promessa daquele conjunto de muitas outras, lançadas como publicidade dos governos anteriores. O tal programa, pelo visto, não teve nenhum efeito prático, pois as drogas e o contrabando, inclusive de armas pesadas, continuam ultrapassando as nossas fronteiras e adentrando o nosso país com muita facilidade. Além disso, há um “jogo de empurra” entre as autoridades. De um lado algumas alegam que de nada adianta fiscalizar as fronteiras se não for atacado de forma mais eficiente o mercado consumidor, enquanto outras, de outro lado, alegam que não adianta atacar o consumo, se as fronteiras não forem bem vigiadas.

Na realidade, não se trata de uma tarefa fácil, levando-se em conta que são mais de 16 mil quilômetros de fronteira entre 11 estados da Federação e os países vizinhos o que demanda uma ação conjunta entre a União, os estados e até dos municípios para intensificar a fiscalização das nossas fronteiras. A vigilância das nossas fronteiras para inibir contrabando e alimentação do narcotráfico é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro. Espera-se uma ação mais rápida desse novo governo, esperança de novos tempos para o Brasil.

É imperativo que sejam usados todos os mecanismos de inteligência da polícia Federal, do Exército e todo o potencial dos órgãos de segurança, que devem atuar com todo o rigor possível, sem mais promessas ou recursos de retórica, quer seja na repressão ao mercado consumidor dentro do país, quer seja na vigilância das nossas fronteiras. É isso que as famílias brasileiras esperam, pois do contrário, elas estarão irremediavelmente perdidas.

Sociarte 08/02/2019

Aniversário em dose dupla

O bairro Santana esteve em festa não só uma, mas duas vezes, na última semana. Os irmãos Vinicius e Víctor Bitarães, do JV Supermercado, comemoraram as novas idades. Vinicius aniversariou no dia 3, enquanto Víctor completou mais um ano de vida no dia 7. Eles comemoraram as datas especiais no Sítio Pedro Dias, no Divisório, ao lado de familiares e amigos. Parabéns!

Parabéns, Marquinho

O nosso amigo Marco Antônio de Oliveira (Marquinho) completou idade nova na quarta (6). Ele e sua esposa Rosiane estão à frente do famoso e aconchegante Restaurante da Charretinha. Parabéns Marquinho! Que Deus conserve sempre a sua alegria e simpatia, te dando sempre saúde e muita paz!

Seja bem-vinda, Rafaella Vitória

Os papais Fabiana Maria e Rafael Rodrigo estão radiantes com a chegada da pequena Rafaella Vitória. Ela veio ao mundo na terça-feira (5), no Hospital São Paulo, com muita saúde. Que Deus conceda a você, Rafaella Vitória, uma vida repleta de saúde, paz e muitas realizações. Seja bem-vinda!

Parabéns, Carol

O Salão Sempre Bella esteve em festa na quarta-feira (6). Esse foi o dia de comemorar o aniversário da Carol, que é expert em unhas. A aniversariante ganhou o carinho da empresária Ana Marquêz e de todos os clientes do Sempre Bella. Parabéns, Carol! Que essa data se repita muitos e muitos anos mais.

Seja bem-vinda, Fofuxa

Os clientes do Salão Sempre Bella e a empresária Ana Marquêz estão comemorando a contratação da expert Elaine, carinhosamente chamada por Fofuxa. Ela é manicure e designer de sobrancelha, e já é consagrada na cidade de Muriaé no segmento da beleza. Os agendamentos com ela já podem feitos no (32) 3721-0671. Seja bem-vinda, Fofuxa!

Parabéns, Aline

Da redação os nossos parabéns para a jovem Aline Oliveira, que ‘soprou velinhas’ nessa terça-feira (5). A aniversariante é filha de Arlete e Joaquim, irmã de Alice e noiva de Fernando. Parabéns, Aline! Muitos anos de vida e vitória para você.

Niver de Mara

A quinta-feira (7) foi de muita festa para a aniversariante Mara Sales. Ela comemorou idade nova junto com os seus familiares, recebendo o carinho do esposo Luiz Antônio, e dos filhos Vitória e Vitor Hugo. Parabéns, Mara! Muitos anos de vida e saúde para você.

Sociarte 01/02/2019

União de Thiago e Caroline

O bonito casal Thiago Vital de Sousa Guedes e Caroline Franklin Gonçalves Guedes se uniu em matrimônio em uma belíssima cerimônia ocorrida no sábado (19), na Fazenda Divisório. Ela é filha do casal Cláudia Franklin Gonçalves e Emanuel de Assis Gonçalves, e ele é filho de Onofre de Sousa Guedes e Cor Maria Vital de Sousa Guedes. Os noivos aproveitaram o brilho da comemoração para descobrirem e revelar aos convidados o sexo do bebê que esperam: e veio a notícia que Maria chegará em breve para alegrar a vida de todos os familiares. Para o grande dia foi escolhida a decoração de Wânia Muhad, o buffet do Deck Salada Grill, o cerimonial de Luana Cruz, as fotos de Jr. Oliveira Photography, a maquiagem e penteado da noiva de Vitor Osaka, e a animação da festa ficou por conta da Banda ZEM, do Grupo de Pagode “Esse é Meu Segredo” e o DJ Lucas Marge.

Casamento de Josélia e Nilton

O jovem casal Josélia e Nilton receberam amigos e familiares para juntos celebrarem a sua união. O casamento aconteceu no sábado (26), na Igreja Assembleia de Deus, no bairro Napoleão e a recepção aconteceu nos salões do Espaço Nobre. A noiva é filha de José Clóvis Ambrósio e Creusa Maria de Assis Ambrósio, ele é filho de Walter de Souza e Maria Aparecida R. de Souza (in memorian). A eles desejamos uma vida repleta de muito amor e paz.

Parabéns Sr. Kalé

Da redação os nossos mais sinceros parabéns para uma figura emblemática da cidade vizinha de Laranjal: Sebastião Francisco da Silva, carinhosamente chamado de Sr. Kalé, que completou idade nova na sexta-feira (25). Figura simples e muita carismática ele sempre arranca sorrisos por onde passa. Ele é casado com a querida Ana Morais da Silva, e pai dos simpáticos Kátia, Kildare e Katyane. Parabéns, Sr. Kalé! Que Deus conserve sempre a sua alegria e seu coração generoso!

Formatura de João Victor

A quinta-feira (17) foi de grande comemoração para os papais João Lira Neto (4 Estações) e Edléia. Foi nesse dia, durante uma linda cerimônia no Centro Universitário UNIFAMINAS, que o jovem João Victor Lira recebeu o canudo com o título de Bacharel em Direito. Como não poderia deixar de ser, os pais ficaram muito emocionados e orgulhosos do filhote. Parabéns, João Victor!

Formatura de Kívia

A jovem Kívia colou grau em Direito pelo Centro Universitário UNIFAMINAS, na quinta-feira (17). A linda formatura foi acompanhada pelos familiares de Kívia, que muito festejaram essa conquista. Por lá estiveram os pais Sgt Marcos e Macilene Souza, os irmãos Ellen Souza e Breno Souza, e ainda a sobrinha Giovana. Parabéns, Kívia! Que sua caminhada seja sempre repleta de muitas conquistas!

Parabéns, Bárbara

Os papais Talita Rabelo e Raphael Agostini prepararam com todo amor e carinho uma linda festa para comemorar a chegada do 1º aninho da pequena Bárbara. A linda festa, com o tema Barbie, aconteceu na Four Disco no sábado (26) reunindo amigos e familiares. Por lá também estiveram os avós Graça e Cristóvão Rabelo, e José Carlos e Lúcia Helena. Parabéns Bárbara! Que Deus te dê muitos anos de vida, saúde e muitas vitórias.

QUEVEDO, UMA LENDA NA PARAPSICOLOGIA

Embora muitas vezes contestada, a Parapsicologia é uma das ciências mais revolucionárias já surgidas. Nascida da necessidade de explicar aquilo que para muitos seria inexplicável, esta Ciência veio ocupar um espaço importantíssimo na existência humana, desobstruindo a mente (pelo menos daqueles que pretendem entender a verdadeira realidade) dos dejetos das superstições e dos sectarismos de certas crenças.

É claro que muitos mistérios ainda existem e continuarão existindo em nossa trajetória existencial, mistérios que vão demandar muito tempo para serem compreendidos por nós.

Dia 09 deste mês, o mundo perdeu, talvez, o maior pesquisador nessa complicada área do conhecimento, um dos maiores expoentes da Parapsicologia, o Padre Jesuíta espanhol, naturalizado brasileiro, Oscar Gonzales Quevedo.

Oscar Quevedo teve uma infância atribulada na Espanha, seu pai, deputado na Espanha, foi fuzilado pelas tropas comunistas em 1937, durante a Guerra Civil Espanhola. O menino Oscar passou a viver por algum tempo na clandestinidade em seu próprio país escondendo-se em casa de amigos das tropas comunistas que haviam fuzilado seu pai. Depois, fugiu para a Inglaterra, onde foi viver com os tios que o influenciaram no gosto e no estudo do Espiritismo e da Teologia, temas que mais tarde se aprofundaria.

Estudou Filosofia e Psicologia, tendo ingressado mais tarde em um Seminário Jesuíta onde se aprofundaria, além da Teologia, em coisas do Além, Magia e Ilusionismo, como ele mesmo declararia em diversas entrevistas. Após a sua formação Oscar Quevedo veio para o Brasil, onde fundou o “CLAP-Centro Latino-americano de Parapsicologia”, dotando-o de uma das maiores Bibliotecas na área e voltado à análise de casos considerados sobrenaturais

Padre Quevedo, como era conhecido, ficou famoso por desmistificar milhares de “casos sobrenaturais” tirando-lhes o caráter místico e debitando-os a simples fenômenos paranormais.

Quevedo sofreu intensas pressões por parte de alas da Igreja Católica que consideravam a Parapsicologia uma posição herética. Posteriormente foi convidado a expor a sua teoria no Vaticano e a partir da sua ida à Roma a sua teoria foi, não só respeitada, como também obteve autorização para ministrá-la aos padres, nos Seminários.

Oscar Quevedo viajou por inúmeros países do mundo proferindo palestras e analisando casos que eram apresentados a ele. Com residência em Belo Horizonte, Quevedo viajou por inúmeras cidades do nosso país e numa dessas viagens esteve em Muriaé, onde foi recebido por um numeroso público. Lamentavelmente naquele dia eu não estava em Muriaé e não tive a preciosa oportunidade de ouvi-lo expor suas brilhantes e interessantes ideias.

Amigos me contaram, posteriormente, que ele falou de ilusionismo, hipnotismo, e sobre fenômenos paranormais que costumam confundir a mente das pessoas como se fossem fenômenos sobrenaturais.

Dizem que chocou algumas pessoas ao falar sobre as aparições da Virgem Maria, dizendo que a única aparição que ele não conseguia explicar e que intrigava-lhe o espírito como manifestação divina era a de Nossa senhora de Guadalupe, no México. É claro que isso não foi bem recebido por muitos dos ouvintes da palestra. Talvez agora, liberto das limitações corpóreas, o Padre Quevedo possa atingir o entendimento pleno das verdades que tanto procurou em vida…

Editorial

É comum ver candidatos fazerem promessas nas campanhas eleitorais. Alguns fazem porque sonham com mudanças que possam beneficiar o povo. Outros só fazem, porque rendem votos; são as chamadas promessas eleitoreiras. Se fizer uma pesquisa entre os eleitores, certamente, eles vão dizer que não acreditam em nenhum tipo de promessa de candidato, embora não se pode generalizar.

Lula, por exemplo, prometeu que em seu governo nenhum brasileiro passaria fome, que teria que comer três vezes por dia. Era o famoso programa “Fome Zero”. Uma utopia, que por razões óbvias, não pode cumprir.  Dilma, com o seu pseudo pensamento na saúde, alardeou como solução o tal programa “Mais Médicos”. Depois se viu que era apenas uma negociata com o governo cubano. Mas ambos tiveram tempo e condições para fazerem tudo pelo país e não fizeram.

Já Jair Bolsonaro, assumiu o poder no dia 1º de janeiro deste ano e já querem colocar na sua conta todas as promessas de campanha. Romeu Zema, governador mineiro, assumiu um estado falido, execrado por um mal governante, resquício de uma era que massacrou o país.

Como se trata de uma mudança radical, da esquerda para a direita, é preciso dar tempo para uma avaliação mais precisa dos novos governantes e para saber o que serão capazes de fazer. Normalmente, os 100 primeiros dias servem de parâmetro para se ver qual norte os governos tomarão. Cobrar ações dos novos governos neste momento é dar um tratamento meramente politiqueiro. Esperemos, pois.