Confecção 4.0 – O modelo do futuro

Podemos observar claramente que hoje em dia vivemos em um mundo onde tudo é feito na hora. A internet formou um conceito de agilidade para quase tudo do dia a dia. Um fato que está acontecendo lá na China chega como informação em tempo real para qualquer pais do mundo inteiro. Alguns especialistas denominam esse estilo de vida como “cultura fast”, onde o consumidor busca por produtos prontos, informações rápidas, processos custos ou quase inexistentes. Além da agilidade este estilo criou uma ideia de consumo onde o que hoje é novo, amanhã já se tornou obsoleto. Há uma corrida tecnologia invisível acontecendo sem parar e os empresários de todos os tipos de seguimentos precisam acompanhar essa competição para se manter no mercado globalizado. No ramo da confecção não é diferente, existe uma teoria de um novo conceito vindo por aí, o conceito de Confecção 4.0 – O modelo do futuro que tornará ainda mais criativo e tecnológico todo o processo de fabricação têxtil, desde a escolha o tecido até a entrega para o consumidor.

Um estudo sobre Visão de Futuro do setor têxtil e de confecção para 2030 realizado este ano, explica de maneira bem clara e eficaz como a Internet das Coisas (IdC) e o desenvolvimento de sensores e atuadores ajudarão no desenvolvimento de fábricas inteligentes para o futuro.

O chamado fast fashion, acompanha esse estilo de vida rápido e exigente produzido pela internet. O modelo consiste em uma estratégia de oferta de produtos de alta qualidade, intensivos em moda, de alta frequência de coleções, que procuram atender a demanda de consumo em seu pico, mas com preços relativamente baixos, para assim atrair público, para isso, a estratégia conta com a necessidade de racionalização sistemática de custos.

A Internet das Coisas e os Sistemas Ciberfísicos tendem ao conceito de Indústria 4.0. Novos modelos de fábricas que serão na realidade grandes redes globais que incorporarão todos seus processos sob formas de Sistemas Ciberfísicos. No ramo da manufatura, esses sistemas compreenderão máquinas inteligentes, sistemas de armazenamento e instalações capazes de trocar informações de maneira autônoma e integrada. Em alguns lugares esse novo modelo de gestão já está sendo utilizado. Algumas fábricas já adotam abordagens completamente novas em sua produção. Produtos inteligentes são identificados de forma única e podem ser encontrados a qualquer momento, ter sua própria história, status e rotas alternativas até atingirem seu estado final. A tendência abordada no E-book é que ema 2030 as fabricas tornem seus processos ainda mais tecnológicos é avançado.

Estamos vivenciando a era que inicia a Quarta Revolução Industrial. Novos modelos de consumo, exigências pela preservação do meio ambiente, indústrias que adotem sistemas de preservação, além de inovar e agilizar os processos de fabricação. O aumento de complexidade industrial promovida pelas tendências econômicas, sociais, ambientais e tecnológicos oferece oportunidades inexploradas pela indústria brasileira de têxteis e confeccionados até o presente. A tendência é que o próximo estágio da evolução da produção global seja a Confecção 4.0 formada por Sistemas produtivos autônomos de produção individual e integrada que atinja às exigências dos consumidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *