Em abril, Muriaé registrou quase 200 casos com suspeita de dengue

Somente em abril, a Secretaria de Saúde de Muriaé registrou 178 casos de suspeita de dengue na cidade. O número colocou a cidade no nível de incidência média, após mais de dois anos com baixa incidência. Segundo a Prefeitura, devido ao aumento desses casos nas últimas três semanas, agentes de endemias estão intensificando as visitas nos bairros para eliminar focos do mosquito.

Os bairros com maior número de focos ou casos suspeitos tiveram as visitas dos agentes de endemias intensificadas nos últimos dias. O objeto é combater a proliferação do Aedes aegypti, mosquito que, além da dengue, é também transmissor da zika e chikungunya.

“Abril é um mês de queda de notificações, mas devido ao calor e chuvas esparsas tivemos maior proliferação do mosquito. 90% dos focos são encontrados dentro de casas e 32% em lixo encontrado nos quintais e que poderia ser reciclado”, afirmou a diretora de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Carla Morcerf.

A orientação é que os muriaeenses continuem prevenindo a proliferação dos focos do mosquito em suas residências, assim como recebam a visita dos agentes comunitários. As denúncias de focos do Aedes podem ser realizadas no 3729-1301 e estão sendo atendidas em 24 horas.

“Recicla Mania” – Também visando à prevenção da dengue, a Prefeitura vai realizar o “Recicla Mania”, um projeto de mobilização que vai acontecer a partir de junho em 45 escolas da cidade. A iniciativa consiste no recolhimento de recicláveis e palestras para crianças, mostrando a elas a relação entre o lixo e as doenças transmitidas pelo Aedes.

Teste do laço – Outra ação é o “teste do laço”, um exame rápido que está acontecendo em todas as unidades de saúde para ajudar na identificação do grau de evolução da dengue. Durante este exame, é feita a contagem de pequenos pontos avermelhados no braço, que surgem em uma área delimitada após a interrupção do fluxo de sangue. Isso ajuda a identificar casos de complicações graves da doença e, com isso, prestar um atendimento mais ágil ao paciente.

Em caso de suspeita de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, deve-se procurar imediatamente uma UBS mais próxima para preenchimento de notificação e posterior bloqueio do avanço da doença.

Com informações da ASCOM/PMM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *