Estudo sobre a Quarta Revolução Industrial do Setor Têxtil e de Confecção: a Visão de Futuro para 2030

O estudo realizado este ano sobre a Quarta Revolução Industrial do Setor Têxtil e de Confecção: a Visão de Futuro para 2030, atualiza a proposta do estudo prospectivo para o setor têxtil e de confecção realizado em 2008 pelas Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT) e o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil do SENAI (SENAI CETIQT).

O estudo resultou em duas obras publicadas pela ABDI. A primeira obra – Panorama Setorial Têxtil e Confecção (PSTC) – produziu um retrato do setor em seis dimensões (Talentos, Tecnologia, Mercado, Investimentos, Infraestrutura física e Infraestrutura político-institucional) e orientou a formulação da Visão de Futuro 2023. A partir de então, foi publicada a segunda obra – Estudo Prospectivo Setorial Têxtil e Confecção (EPSTC) – que descreveu duas rotas para o setor atingir os objetivos nas seis dimensões preestabelecidas (rota estratégica e a rota tecnológica).

Com o advento da crise financeira mundial em 2009, as condições de investimento de mercado foram drasticamente alteradas e, para conseguir enfrentar as novas condições da competição globalizada, as economias mundiais também tiveram que mudar suas estratégias.

Todo esse acontecimento afetou drasticamente as tendências assinaladas nos estudos PSTC e EPSTC em 2008. Houveram então mudanças na estrutura do setor. Novos perfis e novas formas de governança começaram a surgir.

Um exemplo deste fato que o autor apresenta no E-book é o desequilíbrio entre a oferta e a demanda de costureiras industrias. Com as transformações socioeconômicas pós 2009, como as novas tecnologias de produção, com os regimes de cotas universitárias, com a facilidade de acesso as redes sócias e etc., surgiu carecia de operadoras de maquinas de costura. Muitos jovens de diversas classes sociais, começaram a desenvolver propostas de futuros semelhantes para si, onde o emprego industrial tradicional não era uma das melhores opções. Com isso, houve uma necessidade de automatizar e robotiza as indústrias, até mesmo em países em que a mão de obra é barata.

Todos esses grandes acontecimentos e transformações assumiram um caráter especial no Brasil e tudo isso acorreu logo após a publicação dos estudos PSTC e EPSTC. Com isso, a ABIT, ABDI e SENAI CETIQT decidiram aferir se a Visão 2023 e as rotas traçadas em 2008 ainda eram consistentes, foi aí então, que decidiram ampliar a validade do estudo para 2030.

Desenhar uma visão futura de um setor, seja qual for, é uma tarefa que está intrinsecamente relacionada às expectativas da sociedade a seu respeito. Para isso ocorrer existem várias questões contradições que precisam ser respondidas e resolvidas, como, que tipos de empresas, cadeias e negócios se quer priorizar e desenvolver? Quais os benefícios que a sociedade espera receber do setor em 2030? Como o setor deverá se inserir na Cadeia de Valor Global? Como estimular perfis empreendedores e proteger os antigos da ameaça externa? E etc…

Concluindo então, o estudo tem como objetivo apresentar a Visão de Futuro do Setor Têxtil e de Confecção Brasileiro para o ano de 2030, esperando contribuir com desenvolvimento do setor, refletindo em confiança e um futuro desejado por todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *