LUCHO GATICA: UMA VOZ QUE MARCOU GERAÇÕES

Adellunar Marge

Infelizmente nada é perene neste mundo. As pessoas e suas realizações vêm e vão ao sabor do tempo. Algumas, é sempre bom que não voltem mesmo, pelo mal ou desventura que causaram. Mas algumas deixam um vazio, uma falta impossível de ser preenchida.

Este mês, por exemplo, o mundo despediu-se da inesquecível voz de Luís Enrique Gatica Silva, conhecido mundialmente como Lucho Gatica. Um cantor cuja voz, aveludada e extremamente afinada, embalou os corações durante muitas décadas

Lucho Gatica nasceu em Roncágua, no Chile, no dia 11 de agosto de 1928 e faleceu no último dia 13, aos 90 anos de idade.

Cantor de voz suave e marcante, foi considerado um dos maiores intérpretes de boleros de todos os tempos. É difícil alguém que não tenha escutado algumas de suas interpretações, como: “La Barca”, “Reloj”, “Besame Mucho”, “Sabrá Dios”, “Quizas, Quizas, Quizas” ou “Contigo em La Diatância”.

Seus discos em 78 rpm e posteriormente seus LPs e compactos, atravessaram as décadas de 1950, 60, 70, 80 e ainda são ouvidos e apreciados até hoje pelos amantes da boa e romântica música.

Durante a minha juventude (que já se perde na poeira do tempo) eram comuns os bailes em casas de família, sempre aos finais de semana. Reunidos ali, naquelas casas de pessoas amigas, dançávamos ao som daqueles boleros, saídos de Eletrolas automáticas ou toca-discos que envolviam o ambiente de romantismo e intenções.

Nas residências, onde a modernidade da televisão ainda não havia chegado, escutar disco era o prazer diário, principalmente dos jovens. Algumas residências possuíam as “modernas” eletrolas automáticas, cujas hastes de sustentação suportavam até 6 discos que iam caindo, automaticamente, no prato para execução; outras residências contentavam-se com os toca-discos, com braço de acionamento manual, para um disco de cada vez. O que importava mesmo era o som saído daquelas belezuras e o nosso contentamento em escutá-lo.

Certa vez cheguei a pensar que aquele estado de espírito fosse fruto exclusivo da nossa juventude que vê beleza nos mais insignificantes detalhes. Depois o tempo, esse professor magistral, me fez compreender que aquelas músicas tinham mesmo alguma coisa de especial. Ainda hoje as escuto no “Youtube”, na voz marcante de Lucho Gatica e sinto a mesma beleza da música e da interpretação.

Gatica iniciou suas turnês internacionais a partir de 1956 e acabou se fixando por longo tempo no México e posteriormente nos EUA, mas suas gravações correram todos os cantos do mundo. Embora seja considerado um dos maiores intérpretes de boleros de todos os tempos, Lucho Gatica não se limitou a esse gênero de música, pois estão entre as melhores interpretações suas gravações de tangos como “Uno”, “Percal”, “Pampa Mia”, “Média Luz” e tantos outros.

Essa voz que povoou de sentimentos jovens de várias gerações continuará entre nós através dos artifícios da tecnologia. A qualquer momento, podemos acessar os canais do Youtube ou colocar para rodar nos toca-discos retrôs, agora novamente fabricados, aqueles empoeirados 78 rpm ou os saudosos LPs e fazer uma viagem a um tempo que teima em não passar.

Ao inesquecível Lucho Gatica, os nossos agradecimentos pelo bem que fez aos nossos corações ao longo de tantos anos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *